web livro.entrelacados nov18
Um ano após a publicação da obra “Encruzilhados”, o autor Antero Ribeiro, professor de Educação Física da Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa (EPM-CELP), lançou, na passada quarta-feira, o seu segundo romance intitulado “Entrelaçados”. O livro, editado pela Emporium Editora, é uma narrativa que transcende vários tempos e espaços e resulta das vivências do autor em diversos lugares, incluindo a sua experiência na EPM-CELP, onde teve lugar a cerimónia de lançamento da publicação.

Conforme avançou o autor ao público presente na sessão de lançamento, composto por colegas do trabalho, amigos e familiares, “Entrelaçados” abarca várias memórias que marcaram a vida de Antero Ribeiro, tal como é a ilustração da capa que representa uma escultura que surpreendeu o autor numa das suas viagens. Contextualizando o trabalho, que levou cerca de 90 dias de produção, Antero Ribeiro confessou que todos os seus livros têm um caráter autobiográfico, não fugindo o último à regra. “Por incrível que pareça, escrevi este livro em três meses. A razão é que quando escrevo sou muito violento, o que faz com que não me desligue da produção antes de terminar”, declarou Antero Ribeiro.

Em “Entrelaçados”, Antero Ribeiro admite acreditar no amor, nas amizades, na invocação e nas aventuras, explorando no livro os detalhes do enredo, o que, segundo o apresentador do livro João Paulo Videira, torna a nova obra um romance de pormenor. “As dificuldades que enfrentei para escrever este romance estão relacionadas com algumas lembranças. Há muitos momentos difíceis expostos no livro”, revelou o autor.

O convite para a visita guiada pelas 200 páginas da obra foi original porque foi endereçado por outro escritor, João Paulo Videira, também professor de Português na EPM-CELP. Na apresentação de “Entrelaçados”, Videira elogiou o autor pelo trabalho “mais conseguido de todos”, o que torna Antero Ribeiro um escritor “no auge da criatividade”, declarou, recorrendo, adiantou o apresentador do livro, a técnicas literárias como a gestão da expectativa do leitor, o que torna os contos densos e cheios de mistérios, o cruzamento ou encontro de referências, na escrita e no estilo, e a independência dos personagens. “É um livro onde encontro as personagens bem desenhadas e incrivelmente orientadas ao longo da história”, frisou João Paulo Videira, para quem o romance é de pormenor, invocação, amor, amizade, surpresa e de aventuras típicas de férias de verão da infância.

Na sinopse da obra pode ler-se que “Entrelaçados é a narrativa de três vidas vividas numa só. Com uma escrita fluida, mas rica, este romance fala-nos das dúvidas e das certezas, das agruras e das alegrias de cada etapa na vida das personagens, que crescem e amadurecem juntas. Entrelaçados é uma obra que se lê de um único fôlego. Uma história que cruza amor, sensibilidade, paixão e vozes masculinas e femininas tão reais e próximas que ecoam em nós entre pausas de leitura...”

É o quarto livro de Antero Ribeiro e o segundo no género romance. Para além de “Entrelaçados”, constam do seu histórico literário “Fragmentos de Alma”, “Périplo” e “Encruzilhados”.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

letraletra quad

despesc

Topo