web conf.osos 16mar20“Seleção e Armazenamento de Vegetais: um novo conceito de alimentação” é o nome do trabalho da autoria de 13 alunos do 12.º ano do ensino secundário da EPM-CELP, exposto, a 14 de fevereiro último, na Conferência Europeia Escolas Abertas para Sociedades Abertas (OSOS, sigla em inglês), no Pavilhão do Conhecimento em Lisboa, Portugal. A mostra, desenvolvida na disciplina de Química no âmbito das atividades do projeto “Mãos na Ciência” e da Rede de Clubes de Ciência Viva na Escola, partilhou o espaço com outras 99 de diversas escolas portuguesas.

Devido à impossibilidade dos nossos alunos se deslocarem a Lisboa para representar o seu trabalho, a ex-professora da EPM-CELP, Margarida Duarte, a residir em Portugal, fez a defesa do mesmo com êxito. De acordo com Sónia Pereira, coordenadora do projeto “Mãos na Ciência” e professora de Físico-Química na nossa Escola, a importância do projeto OSOS não se limita à partilha de experiências pois o mesmo fomenta a responsabilidade e o desenvolvimento de uma cidadania responsável. Por exemplo, neste trabalho os alunos de Química do 12.º ano detetaram, nomeadamente, que, em Moçambique, 44 por cento das crianças (dos zero aos cinco anos de idade) sofrem de desnutrição crónica e que na Reserva Marinha Parcial da Ponta do Ouro a população local manifesta carências nutricionais, disse a docente.

O trabalho dos alunos, exposto em Portugal, foi desenvolvido numa das escolas de Matutuíne, onde se estimulou a substituição da refeição habitual de farinha de milho simples por uma enriquecida com a junção de mandioca, milho, feijão-nhemba e moringa. Sónia Pereira contou que, de forma a tornar o projeto viável, paralelamente os alunos, em colaboração com a Universidade Eduardo Mondlane, desenvolveram um método de conservação através de uma estufa para desidratação solar. “A estufa servirá não só para desidratação de vegetais (“xima” enriquecida), mas também para frutos (banana, papaia e manga). Note-se que a maioria dos elementos da comunidade-alvo (crianças e adultos) consome em média uma refeição de xima por dia, ficando assim restringidos aos nutrientes existentes no milho”, explicou Sónia Pereira.

web conf.osos1 16mar20Ainda sobre o projeto dos estudantes Bibiana Chairuca, Luana Rossini, Mariana Andrade, Shelton Fenhane, Solange Caravela, Winnie Laisse, Yassir Yassin, Beatriz Silva, Bruna Chaves, Dulce Mijares, Ly-n Tenreiro, Rodrigo Oliveira e Nicole Cuambe e seu impacto naquela comunidade, a coordenadora do projeto “Mãos na Ciência” revelou que os estudantes “acreditam que a iniciativa poderá melhorar a gestão de excedentes agrícolas, muitas vezes perdidos, aumentar a gama nutricional e, consequentemente, o desenvolvimento cognitivo, intelectual e motor da população”, disse.

O projeto OSOS faz parte do Centro de Ciência Viva e tem como principal objetivo implementar, em larga escala, um processo de transformação das escolas em ecossistemas inovadores de aprendizagem, atuando como espaços multidisciplinares para a aprendizagem das ciências. Prevê, ainda, o envolvimento de 100 escolas a nível nacional, em que os alunos, desde o primeiro ciclo do ensino básico até ao ensino secundário, são encorajados a desenvolver projetos multidisciplinares que tentam dar resposta a problemas concretos da sua comunidade, envolvendo neste processo as suas famílias, universidades e centros de investigação, parceiros locais (moradores, lojistas, empresas e associações, entre outros), museus e centros de ciência. Com o OSOS pretende-se, acima de tudo, colocar as escolas no centro de uma comunidade ativa, democrática e participativa.
web conf.osos2 16mar20

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

Logo UPA

despesc

Topo