×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 2610
web hospitalprivado
No âmbito do plano de actividades da disciplina de Ciências Naturais na EPM-CELP, as turmas do nono ano visitaram o Hospital Privado de Maputo. Ainda na escola, sob uma temperatura fresca, encontrámo-nos com as professoras Ana Besteiro e Rosa Xisto e o resto dos colegas com quem formámos grupos. Após as professoras confirmarem as presenças, atravessámos a rua em conjunto para irmos ao encontro do hospital. Ao chegarmos, fomos saudados e muito bem recebidos pelos doutores e pelas enfermeiras. Cada grupo ia para um sector diferente.

O meu grupo era composto apenas por pessoas da minha turma e enquanto andávamos pelo hospital era visível que o edifício estava calmo e limpo. Quando fomos para a UTI, felizmente não encontrámos nenhum paciente. A nossa enfermeira/guia mostrou-vos várias máquinas. Umas que serviam para controlar a pressão arterial do paciente, outras que ajudavam o mesmo a respirar e após uma dúvida de uma colega, também nos foi mostrado um desfibrilhador.

A seguir à UTI dirigimo-nos para as urgências. Eu esperava ouvir sirenes por todo o lado e doentes a entrarem nas macas, mas felizmente isso não aconteceu, em vez disso vimos uma sala chamada “sala de ressuscitação” que por acaso tinha um paciente.
web hospital.visita

De seguida fomos para o sector de radiologia, onde vimos máquinas de alta tecnologia, como TAC, mamografia e a ressonância magnética. Neste setor encontramos um senhor especializado que nos mostrou a sala, com os técnicos, onde são controladas as máquinas.

O último setor chamava-se Hemodiálise, onde são tratadas as pessoas com problemas nos rins. Neste sector estava um paciente numa maca a fazer o tratamento habitual. O especialista dessa área mostrou-nos uma espécie de filtro que substitui o rim, quando ele já não funciona bem.

Após a visita aos quatro setores, reunimo-nos (todos os grupos) e ouvimos a professora Ana Besteiro dar uns agradecimentos à pequena equipa que nos guiou durante umas horas, perguntando se alguém queria dizer algo. Após um incentivo de uma colega, segui em frente e agradeci por todos, o facto dos doutores e das enfermeiras terem disponibilizado o seu tempo para nos mostrar pequenas coisas valiosas a que não temos acesso na escola (por ser um ambiente escolar e não hospitalar) e também por nos cativar para a medicina. Porque ser médico é ser herói!
Letícia Veloso (9.º C)web leticiaveloso

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

letraletra quad

despesc

Topo