web saraulinguas2017z
O Auditório Carlos Paredes da Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino e Língua Portuguesa (EPM-CELP) foi palco da edição 2017 do Sarau das Línguas, no passado dia 6 de junho. Sob o lema ‘O que faz falta é unir a malta – Entendimento Global’, o espetáculo consistiu numa mostra dos resultados das aprendizagens das diferentes línguas que se ensinam na EPM-CELP.

A ação dramática do Sarau das Línguas começou no Aeroporto Internacional de Maputo onde representantes de diversos países na Organização das Nações Unidas tentam embarcar, mas um atraso no voo leva-os, durante o tempo de espera, a uma interação circunstancial da qual se vão desprendendo os diversos números desenvolvidos no palco.

Conjuntamente com os saberes linguístico e literário, o teatro, a música, a dança, a magia, a expressão corporal e o desenho fizeram as delícias das mais de 200 pessoas que assistiram ao espetáculo, entre alunos, encarregados de educação, professores, funcionários e convidados. “Do ponto de vista artístico, pedagógico e técnico este sarau superou todas as expectativas”, destacou o coordenador pedagógico do terceiro ciclo do ensino básico, João Paulo Videira, que tem sido o encenador das últimas edições do Sarau das Línguas.

Coordenado pelos professores do Departamento de Línguas, mas orientado por alunos do quinto ao 12.º ano de escolaridade, o espetáculo de 2017 foi diferente dos realizados nas edições passadas. Se, por um lado, houve mais tarefas entregues aos alunos, como a produção gráfica e textual, anteriormente a cargo dos professores, por outro revelou-se um espetáculo mais inclusivo, uma vez que foram os alunos a selecionar os participantes nos 22 números que foram apresentados durante cerca de duas horas da sessão. “Os alunos envolveram-se de forma ímpar, os professores foram inexcedíveis no seu acompanhamento, os serviços da escola foram muito competentes e, nessa medida, não deixando de ser um momento pedagógico e até curricular, acabou por ser um espetáculo de entretenimento com forte pendor artístico e grande impacto”, ilustrou João Paulo Videira, para quem o Sarau das Línguas já se transformou numa ‘escola em movimento’, em alusão ao aproveitamento e integração dos saberes e competências curriculares adquiridos que os alunos cruzam nas tarefas de conceção e produção do espetáculo, elas próprias uma fonte de aprendizagens autónomas e significativas.

O projeto ‘Sarau das Línguas’ nasceu há oito anos por impulso do Departamento de Línguas no sentido de apresentar, anualmente, uma mostra representativa dos resultados das aprendizagens das diferentes línguas – português, inglês, francês e espanhol -, permitindo a combinação dos saberes linguístico e literário com as diversas linguagens e expressões artísticas.

Há quem diga que esta foi a melhor edição de todas e esta tem sido a marca das últimas edições, ou seja, a atual sempre melhor do que a anterior. Em 2017 a reação do público foi estrondosamente compensadora. Para o ano há mais!

Coleção alargada de fotos disponível para consulta no Portal dos Encarregados de Educação (acesso reservado aos subscritores) e no catálogo disponível ao balcão dos Serviços de Administração Escolar.
web saraulinguas2017a
web SarauLinguas2017 01 web SarauLinguas2017 02
web SarauLinguas2017 03 web SarauLinguas2017 06
web SarauLinguas2017 04 web SarauLinguas2017 05
web saraulinguas2017x
web SarauLinguas2017 08 web SarauLinguas2017 07
web saraulinguas2017y
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

letraletra quad

despesc

Topo