web artespalco2017
‘Do amor à cor – duas estórias sobre poder e rancor’ foi o tema do exercício final dos alunos do grupo de teatro “Artes do Palco” da EPM-CELP que atuaram no Auditório Carlos Paredes, no passado dia 8 de junho. A peça, com aproximadamente 30 minutos de duração, teve como pano de fundo a temática do poder, dinheiro, desigualdade e discriminação racial a partir de duas histórias escritas e adaptadas pelos próprios alunos-atores.

Liderado por Rita Couto, o grupo, composto por alunos do nono e 11.º anos, nasceu em março último com o objetivo de permitir que os jovens desenvolvam talentos fora do contexto de sala de aula, competências de cidadania e vejam o teatro como forma culta de expressão. “Pretendemos que seja um processo colaborativo, de forma a existir uma troca entre mim e os alunos através de uma linguagem cénica e narrativa”, esclareceu Rita Couto, acrescentando que a peça ‘Do amor à cor – duas estórias sobre poder e rancor’ não é uma cena “pronta e finalizada, mas sim algo que ainda está em processo de desenvolvimento”.

São seis os elementos do grupo que agrega teatro, dança e outras expressões artísticas num só espetáculo: Tatiana Magaia (11.º B), Roda Nhagava (9.º D), Constância Zacarias (11.º C), Helena Costa (9.º D), Helena Langa (11.º A2) e Manuel Guimarães (9.º E).

Para Tatiana Magaia, que sempre gostou de teatro e música, a experiência foi boa para “ficar a conhecer mais pessoas com os mesmos gostos”, enquanto para Constância Zacarias a motivação foi querer “ver o que era estar no palco”, já que muitas vezes esteve no lado do público. Já para Helena Costa foi uma oportunidade para “sentir o cheirinho da área que quero seguir na faculdade”, acreditando que o seu futuro vai passar pelas artes. Por sua vez, Helena Langa descobriu o seu lado de atriz que desconhecia: “foi muito bom porque me ajudou a aprofundar os conhecimentos sobre arte e a expressar o que eu sou”. Manuel Guimarães declarou que a experiência lhe permitiu “conhecer melhor tudo o que está relacionado com o teatro, não só em cima do palco como também nos bastidores”. Por fim, Roda Nhangave simplesmente disse: “gostei e valeu a pena”.

A ambição do projeto ‘Artes do palco’ é replicar a atividade no próximo ano letivo 2017/2018, sendo ideia de Rita Couto deixar, desde já, “a semente para que outras pessoas venham a dinamizar a atividade” caso não prossiga na liderança do grupo estudantil de teatro.

web artespalco2017.1
web artespalco2017a web artespalco2017b
web artespalco2017c web artespalco2017d
web artespalco2017e
web artespalco2017f

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

letraletra quad

despesc

Topo