web doacao.lhanguene jan19
A Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa (EPM-CELP) ofereceu, na última quarta-feira (9 de janeiro), um conjunto de roupas de cama, composto por 48 mantas, 28 lençóis e 20 almofadas, ao Centro de Apoio à Velhice de Lhanguene (CAVL), na cidade de Maputo. A oferta, conduzida pela responsável dos Serviços de Ação Social Escolar e Bolsas, Ana Castanheira, enquadrou-se no âmbito da responsabilidade social da nossa instituição.

Numa pequena intervenção protocolar, Ana Castanheira referiu que a doação renova o espírito de solidariedade que inspira a EPM-CELP, sublinhando que a nossa Escola está “a começar o ano de 2019 com o pé direito”. Num outro momento, inteirou-se das condições do CAVL, visitando a ala das mulheres. Francisco Machava, diretor-adjunto do CAVL, por seu turno, não escondeu a sua satisfação, afirmando que o apoio prestado surge numa altura pertinente pela escassez daquele material e declarando que este será “bem-vindo pelo idoso que o vai usar com amor e estima”.

O diretor-adjunto revelou que o CAVL carece também de duas botijas de gás de 48 quilos pois as existentes não são suficientes, apontando igualmente problemas na manutenção e reabilitação do edifício. Francisco Machava manifestou-se também preocupado com a autonomia do CAVL para a qual indica como solução o financiamento para aquisição de 500 pintos e respetiva ração de modo a abrir um ciclo de produção que teria, assim, continuidade e sustentabilidade, ilustrando a situação com o facto da instituição possuir “uma capoeira com capacidade para 500 aves, mas que está neste momento sem nada”.

Atualmente, o CAVL alberga 26 mulheres e 17 idosos e crianças desfavorecidos, tendo sido construído pelas Irmãs Franciscanas, em 1922, numa altura em que também se ergueu o Hospital Geral José Macamo. A condição de acesso ao CAVL é o candidato estar numa situação de desamparo social e familiar. Da população de idosos que partilham refeições, afinidades e histórias de vida, destacam-se os casos de abandonos nos hospitais e nas grandes avenidas da capital moçambicana, as expulsões da família por alegada prática de feitiçaria e o fracasso nas tentativas de procura de melhores condições de vida na cidade de Maputo como principais causas.

Para além da EPM-CELP, o CAVL conta com o apoio da Plataforma Makobo, nosso parceiro no campo da solidariedade e responsabilidade social.